sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Provérbio provado rimado - CLXXXIV

Todos os caminhos vão até Roma
Vê lá não fiques na redoma
De só o Vaticano visitar
Com tanta piazza p'ra calcorrear

Da Navona até à Fontana
Onde a multidão se esgana
P'ra tirar a tal fotografia
Da praxe com muita alegria

E dali até ao Coliseu
É um ar que se lhe deu
Encontram-se os gladiadores
São todos barbudos senhores

Hão-de aparecer Pinóquios
De madeira em solilóquios
Com um ar bem engraçado
No seu nariz tão esticado

Depois o gelado ou as pizzas
De um bom par de euros precisas
Se o orçamento não for mau
Não tarda voltas num ciao

Provérbio provado rimado - CLXXXIII

Não há pachorra para montras
Andar a apalpar ó senhores
E ver duas ou três lontras
Que suam nos provadores

Vem sempre um vendedor
Perguntando se pode ajudar
Não me chateeie por favor
Já tenho de o rabo arrastar

Se não há bom dinheiro
Ou nem uma ideia precisa
Fico quieta não enfeiro
Não me perco na pesquisa

Para mim centro comercial
Fica sempre para depois
E já me chega no Natal
Pôr o carro à frente dos bois

Pois logo chega a rebaja
Fica tudo pela metade
É ver quem é que agarra
O barato com qualidade

Provérbio provado rimado - CLXXXII

Tenho uma mancheia de palavras
Para te dizer meu amor
Só que não saem são escravas
Do meu coração sem calor

Ficou gelado ai tão frio
Sem a tua bela presença
Que fiquei num tal desvario
Sem ti faz toda a diferença

E quando agora me procuras
Escondo-me não revelo nada
Só calo bem fundo as juras
Fico-me pela conversa fiada

Provérbio provado procrastinado

Muitas vezes usamos determinadas frases feitas quando queremos dizer precisamente o contrário.
É o caso da expressão abaixo; o que invariavelmente pensamos quando a dizemos é no fundo: na eventualidade de voltarmos a falar, hás-de ser tu a contactar...

- Vamos falando

Provérbio provado rimado - CLXXXI

Já sabia que não ias ligar
Ainda assim preparei o jantar
E ali na minha cozinha
Fui comê-lo mesmo sozinha

Apesar de ter esse feeling
Penteei-me com uma grinalda
E fiz até mesmo um peeling
Mas acabei por levar a balda

Provérbio provado rimado - CLXXX

É acrónimo de polícia chilena
E também a puta da idade
A diferença não é pequena
E aqui fala-se à vontade

Já se sabe que não perdoa
Aparece toda a maleita
E a vida assim se escoa
Mesmo quando é imperfeita

Não há mesmo nada a fazer
O melhor é irmos sorrindo
Pois quando nos tocar morrer
Fingimos que estamos dormindo

Provérbio provado rimado - CLXXIX

O que não vejo não me aflige
Só se convocar a memória
A minha atenção não exige
Fica só mesmo para a história

Não mais lhe passo revista
Se não me vem parar à mão
Pois diz-se que longe da vista
Também é longe do coração

Provérbio provado rimado - CLXXVIII

Quando ouço o Carlos Gardel
Facilmente me emociono
Vou buscar lenços de papel
A melancolia proporciono

Chega a ser masoquista
A ouvi-lo me dedicar
São tangos não é fadista
Mas fazem na mesma chorar

Era tão colocada a voz
Cantava com tanta expressão
Na garganta fico com nós
E no meu pobre coração

As letras são expressivas
À música não devem nada
De muita emoção permissivas
Até para as pedras da calçada

Eu que sou uma romântica
Às vezes uma parvinha mole
Ponho-me a decorar a semântica
Apesar de serem em espanhol

Houvesse quem me impedisse
Essas pessoas que são rijas
Que a minha avó sempre disse
Quanto mais choras menos mijas

Provérbio provado nada emocionado

A Felismina criou-se como pôde. Cedo orfã de mãe, era com o pai militar que partilhava os seus dias. O irmão, mais velho dez anos, partira no dia em que a mãe partira, tinha Felismina oito anos. Nunca soube nada dele, a não ser que se chamava José Falcão como o pai, cheirava a tabaco que tresandava e emigrou para França. Vou à procura de uma vida melhor, disse-lhe após o funeral, acontecimento que Felismina aguentou estoicamente sem verter uma lágrima para não decepcionar o pai. Levou dois fatos de Domingo, a Bíblia que era da mãe e um volume de Português Suave sem filtro. Levou também os últimos sorrisos que houve lá por casa.
O José Falcão pai era sisudo e mal humorado. Felismina nunca soube exactamente o que ele fazia: quando tinha de preencher algum formulário com a profissão do pai escrevia simplesmente militar, e se lho perguntavam dizia simplesmente militar, encolhendo os ombros quando indagavam da patente. Ora, alguma coisa há-de ser, capitão, alferes ou soldado raso, minha querida!, disse-lhe uma vez a Dona Maria dos Anjos, a única vizinha que às vezes vinha saber se ela precisava de alguma coisa. A Dona Maria dos Anjos não fazia perguntas: tinha o irritante hábito de lançar exclamações para o ar e ficar à espera de uma reacção. Com a Felismina não tinha sorte nenhuma, ela era tímida e pouco conversadora e despachada só nas lides caseiras, que desempenhava de uma penada para depois ter tempo para mergulhar na leitura.
Lá em casa não podia haver barulho, o pai não gostava de música e raramente ligava a televisão, limitando-se a ficar sentado num cadeirão a seguir ao jantar, olhando o vazio com uma expressão feroz, até que as pálpebras se semicerravam e se ia deitar sem nunca despir a farda. Era então que Felismina se dedicava a ler, esperando que o pai não acordasse para a obrigar a apagar a luz, às vezes nas passagens mais emocionantes. Eram as colegas que lhe forneciam os livros, já que a Dona Maria dos Anjos só coleccionava o que dissesse respeito a Fátima e aos três pastorinhos. Como tinha de ir direitinha para casa após a escola, era esse todo o convívio que tinha: vê lá que livro trazes amanhã para me emprestar! Devolvia-os rapidamente e tão estimados como lhe vinham parar às mãos. Mas de histórias de amor não gostava, achava tudo muito rebuscado e era-lhe difícil crer em tantas emoções de gente que não se sabia controlar em ambientes invulgarmente perfumados. Para ela, romance era um livro com mais de duzentas páginas.
Quando tinha vinte anos e conheceu o Carlos, vinte anos mais velho, aceitou sem expressão o anel e a benção do pai, que nesse dia teve um esgar semelhante a um sorriso e até deixou a Dona Maria dos Anjos trazer um chá e uns bolinhos enquanto exclamava muito afogueada vamos ter casamento!
A Felismina disse aceito sem pestanejar no altar, mas nunca devolveu a Carlos uma frase mais ternurenta ou uma carícia fora das quatro paredes do leito.
Um dia bateram-lhe à porta. Pensou que o marido se tinha esquecido das chaves. Foi abrir e mal reconheceu a figura. Sou o José Falcão, o teu irmão. Sentiu um cheiro familiar e, enxugando uma lágrima, foi buscar-lhe um cinzeiro e dispôs-se então a conversar.

- Quem come fel não pode cuspir mel

Provérbio provado rimado - CLXXVII

Fui crescendo com o passar dos anos
Sobrevivendo a danos e enganos
Somei um rol de desilusões
Por não saber calar emoções

E essa tendência para a emoção
Sempre suplantou a teia da razão
Continuo a não saber disfarçar
Na cara lê-se o que estou a pensar

A melhor característica é ser sincera
Mesmo com quem não é da minha esfera
De mim há que esperar a verdade
Dizem que é minha maior qualidade

Claro que assim granjeio inimigos
Às vezes no meio de antigos amigos
Como se diz por aí temos pena
Eu avisei que não era serena

The best or nothing é o meu lema
Ainda que às vezes me traga problema
Mas o saldo é deveras positivo
Mesmo quando viver é agressivo

Provérbio provado rimado - CLXXVI

A metade da laranja
É do melhor que se arranja
E depois quando é espremida
Dá mais sabor a esta vida

Quando a laranja tem sumo
Com vontade a consumo
Mas se tiver um caroço
É razão para alvoroço

Quero a tua fruta beber
Vou saciar-me até querer
Vem também a minha adoçar
Hás-de bebê-la até fartar

Provérbio provado rimado - CLXXV

Afinal escorregar não é cair
É sinal de meio caminho andado
E de as falhas saber assumir
É normal haver-se enganado

Operar tentativa e erro
Recorrer ao método científico
Repetir até ir ao desterro
Consagrar-se num acto prolífico

Provérbio provado rimado - CLXXIV

Se a coisa é pouco concreta
Podes pôr-lhe no fim etecétera
Assim te poupas no linguajar
Jejuas a seguir ao jantar

É deixar correr o marfim
Esperar até que se dê o sim
Até lá só andas a enrolar
Esperando bem no fim acabar

Provérbio provado num verso branco - V

Dói mais ao prego ou ao martelo?

Quando fores bigorna, sofre
Quando fores malho, malha
Aguenta-te, faz-te rijo, põe-te fino
Vai buscar forças se preciso for
Àquela lonjura onde Judas perdeu as botas

Poupa os neurónios, não queimes pestanas
Vais precisar de uns e outras
Para as hesitações e interrogações
Em que tropeçarás na selva dos costumes
Onde não se pode ser irremediavelmente humano

Quando te quiserem pendurar num cabide
E te amestrarem como um animal circense
Leva a cintura a jogo sem quebrar o osso
Sem corromper a veia lúcida e firme
Que te transporta de regresso à casa que és tu

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Provérbio provado rimado - CLXXIII

Cada coisa tem seu lugar
Até onde ela não deve estar
E não é a lógica da batata
Mesmo se é difícil não mata

Se é urgente crer então crê
E se necessário ler pois lê
Leva o esforço ao transcendente
Desde que se afigure premente

Bota o máximo naquilo que fazes
Até mesmo sem trunfo de ases
A vida é como a sueca um jogo
Em equipa dá mais desafogo

E se não prestares atenção
Joga o sete que tiveres à mão
Dá aos outros também uma chance
Quando enfim não aspires o lance

Mas nunca emprenhes de ar
Não é ele que te dá de jantar
Só poderás parir um vento
Que não te aquecerá ao relento

Provérbio provado num verso branco - IV

Minha jóia, anda cá ao ourives

Deixa-me moldar-te rara e preciosa
Dourar-te com frases feitas
Versos previsíveis que outros para ti escreveram
Quando os percorreste e assim modificaste

Até chegares não sabia que as flores andavam
E tu, tão sensual, vais bailando
Mordiscando meu pasto verdejante

És saborosa como um cereal amarelo
Mais fértil que o milho
E para mim te abres feliz
Girassol espreguiçando-se rumo ao sol

À tua volta não há nuvens
És límpida e tua beleza bate-me na cara
Uma manhã branca que me nasce na pele
Despertando um desejo primário de fusão

Provérbio provado rimado - CLXXII

Faço versos de pé quebrado
Imprudentes ao quadrado
De má métrica e fraco estilo
Com pensamentos que destilo

São rimas emparelhadas
Quando muito até cruzadas
Não fazem grande sentido
O seu rumo é indefinido

Mas dão-me tanto prazer
Que suplantam o meu querer
Surgem assim sem aviso
Neste constante improviso

Como beber um copo d'água
Num atropelo de frágua
Tenho esta necessidade
Toda feita d'assiduidade

E até um dia me fartar
Versos vos hei-de ofertar
Nesta fria tarde de chuva
Assentam que nem uma luva

Provérbio provado rimado - CLXXI

P'ra viver com resistência
Não uses de consistência
Deixa-te levar pela arte
De ser livre em qualquer parte

É dar corda aos sapatos
E não ter receio dos actos
Que mais se leva da vida
Se for espremida e sentida

Renascer a cada dia
Finar-se na melodia
Dum adeus reconvertido
Numa aurora com sentido

Liberdade não tem preço
É cuidá-la com apreço
Não seguir a carneirada
Na sua prosa parada

Dar asas às ilusões
A soar nos carrilhões
E cantar de peito aberto
Esse viver insurrecto

Provérbio provado rimado -CLXX

É melhor a desilusão
A ter um coração de aço
Beber a um trago a paixão
Cuspi-la como bagaço

Como uma indigestão
Quando algo nos cai mal
É vomitar a paixão
E seguir vida normal

Provérbio provado rimado - CLXIX

Tanto ovos como juras
Foram feitos p'ra quebrar
Como atalho nas lonjuras
Que se percorre devagar

Tu és o que não se cansa
És quem decide o caminho
O que de longe alcança
Se ter enganado sozinho

És quem vê o céu na água
Peixes pendurados nos galhos
Sonhas e teu sonho é magóa
Teus erros são teus trabalhos

Prometes chegar a uma quarta
Mas tens um pacto com as quintas
E o mundo gira que se farta
Por mais medo que tu sintas

Hesitas entre o sim e o não
E tentas um vão esquecimento
Mas duas coisas diferentes são
As que te lixam o momento

Provérbio provado rimado - CLXVIII

A picareta desbravar caminhos
Ou a escopros e martelos
Não se importar com burburinhos
Que tecem nas nuvens castelos

Assumir convicções e desejos
Não calar na boca segredos
Nem se abater com gracejos
Que despontam na alma os medos

Tudo mastigar com vontade
Sem temer mau colesterol
E não saber da missa a metade
Quando se tapar c' o lençol

Provérbio provado num verso branco - III

Vem comigo embalar a noite:
Não é ela uma criança?
Tomemo-la no colo cantando uma melodia
De ninar, até que adormeça de mansinho
Em nossos braços que estarão quentes
E lânguidos das promessas que só revelaremos
Quando despertar a manhã

Provérbio provado rimado - CLXVII

Quando lido com gente mula
Não consigo evitar fico fula
Já que a vã agressividade
Me põe em grande ansiedade

Sobe-me logo a temperatura
E depois já ninguém me atura
Tenho de contar até dez
Esquecer tamanha estupidez

Provérbio provado rimado - CLXVI

Há gente desenxabida
Extremamente antipática
Também muito convencida
Algumas vezes apática

Pior quando é intriguista
Ou então mexeriqueira
Uma ferrenha benfiquista
Comodista e interesseira

A opinar metediça
A dar cabo do canastro
Como areia movediça
E na TV o emplastro

Gostava era de saber
Por insatisfeita trocar
Poder fazer desaparecer
Se o talão apresentar

Provérbio provado rimado - CLXV

Rimar é uma obsessão
Não exige concentração
Agora entendo os poetas
E suas ideias incompletas

Basta-me caneta e papel
Ou mesmo só o telefone
Que logo surgem a granel
Rimas sem conta nem nome

Nem é preciso ter tema
Para me pôr a escrevinhar
Aparece lesto um poema
Que não é de se aproveitar

Tornou-se um hábito forte
Que toma conta de mim
Agora é a minha sorte
Ponho-me a rimar assim

Provérbio provado rimado - CLXIV

Detesto o tipo de escumalha
Que age como canalha

É abjecto o ladrão
Que engole o seu quinhão

Mas usa fato e gravata
E por doutor se trata

No ombro leva o portátil
Com um ficheiro volátil

Dá erros de português
Nem percebe que os fez

É um imenso badameco
Patudo e muito marreco

Porta-se como um estafermo
Mais valia se fora enfermo

E tomasse um laxante
P'ra sair assim de rompante

Provérbio provado rimado - CLXIII

Atirar o barro à parede
É de fazer-se se há sede
De uma reacção provocar
E um desejo inspirar

A manifestação da vontade
Proclamada na realidade
Deve ser tida em conta
Se a ânsia é coisa de monta

De falar não há que ter medo
Não é suposto guardar segredo
À partida o não é garantido
Mas pode um acto ser prometido

Provérbio familiar - II

Esqueço-me sempre que tem um nome; quando tenho de dizer que se chama Teresa é como se acabasse de descobrir que é uma pessoa de carne e osso, com cinco sentidos, e não um ser alado com o sexto hiper desenvolvido, essa intuição que me lê quase sem olhar. Esqueço-me que já era uma pessoa antes de mim, que um dia foi criança, fez birras e esfolou os joelhos, que cresceu e teve anseios, enganou-se e retrocedeu como qualquer mortal. É como se não lhe reconhecesse uma existência anterior a ter feito o favor de me parir; o nome dela é simplesmente mãe.
Hoje faz 71 anos. Parabéns, Teresa

- Mãe há só uma

domingo, 19 de novembro de 2017

Provérbio provado rimado - CLXII

Se viesses ver-me à tardinha
Como disse a Florbela Espanca
Íamos p'rá santa terrinha
Púnhamos na porta uma tranca

E por todo o fim de semana
Havíamos de nos amar
De uma forma desumana
Não penses que estou a brincar


Provérbio provado rimado - CLXI

Andas pendurada em cabides
Rodeada de gente manhosa
Que se finge muito pesarosa
Triste é mas disso não duvides

Já lá vem aquela lambisgóia
Ainda por cima é marreta
Tudo o que diz é uma treta
Resultado da sua paranóia

Cada dia é mais uma perda
De confiança na raça humana
Continua por toda a semana
A falsidade é uma grande merda

Provérbio provado rimado -CLX

Há quem diga todo ufano
Ter limpinha a consciência
Mas esse é grande engano
Percebê-lo não é grande ciência

O que tem é fraca memória
Também falta de reflexão
Pois p'ra cada erro uma história
Que exige total atenção

É precisa a interrogação
Quando se chega à almofada
Pôr sempre tudo em questão
À partida a coisa é errada

Só assim consegue progredir
Quem muito se questionou
Não se pode logo assumir
Que a dúvida se enganou

Isto se calhar é vontade
De pensar um tanto demais
É defeito que vem com a idade
Não se ter certezas finais

Provérbio provado rimado - CLIX

Se me ataca gente ressabiada
Tem azar daqui não leva nada
Pois resguardo-me na sinceridade
Na certeza que disse a verdade

Eu sei bem com que linhas me coso
Aguente-se para quem é penoso
Já tenho problemas que chegue
Que vá c'uma mula que o carregue


Provérbio provado num verso branco - II

Amor num tempo conjuntivo

Vivamos um amor clandestino
Protegendo os sobressaltos do coração
Escapando dum lápis azul sorrateiro e engenhoso
Não façamos juras nem declarações de intenções
Não tenhamos a tentação de imprimir folhetos
Cantando o nosso amor sem lágrimas
Que distribuiríamos às escondidas da censura
Assobiando para o lado e passando despercebidos
Cada um em seu passeio olhando montras sem as ver
Não desejando consumir nada mais que o outro
Façamos silêncio pelas ruas
Longe de ameaças de manifestação
Amemo-nos debaixo de telha
Na urgência de quem esconde a nudez de emoções intensas
E depois inflijamo-nos a tortura do sono num abraço infinito
Não cerrando as pálpebras a esse olhar aquático e despoluído
De manhã façamos planos de partida para o exílio
Liguemos o rádio e escutemos os amanhãs que cantam
Então assoberbados por esse minuto quieto de assombro
Afugentemos os últimos receios
E escolhamos as flores da nossa revolução

Provérbio provado num verso branco - I

Vice-versando

Às vezes o ouvido anda à frente da memória
E caminhando pelas ruas povoadas de gente
Ouve-se uma canção que ainda não foi inventada

Outras vezes há momentos ao contrário
Em que rumando a um destino incerto
Se recordam juras de amor nunca pronunciadas

Deve ser a isto que chamam sonhar acordado
Ou será acordar ainda sonhando?

Provérbio caridoso

Não aprecio a caridade exibicionista que alardeia a sua bondade ao microfone e faz pose para a fotografia. Acho uma atitude afectada e pouco modesta: quem quer realmente fazer algo pelos outros com pequenos gestos não precisa das luzes da ribalta, opera na sombra no acto de dar-se. Os novos ricos compram Ferraris, os bonzinhos vaidosos dão esmolas com condescendência. E ainda por cima são um bocado forretas e gostam de repetir aquele chavão paternalista da cana de pesca em vez do peixe.

- A caridade quer-se muda

Provérbio do segundo mandamento

Quanto entregou as tábuas da lei a Moisés, e se à época já era assim tão omnisciente como dele se conta, Deus já devia estar mesmo a prever esta situação, por isso é que teve o cuidado de colocar logo em segundo lugar o seguinte mandamento: não invocarás o santo nome de Deus em vão. E se não roubarás ou não matarás são susceptíveis de gerar consenso em todas as religiões, esta sugestão divina tem vindo a ser candidamente ignorada desde então, desde os católicos mais fervorosos aos ateus habitantes de países laicos imbuídos duma certa moral judaico cristã. Invocar Deus a torto e a direito (é assim que ele escreve nas linhas dos seus cadernos) faz parte da cultura popular e é um costume adoptado sem grandes interrogações desde as idades mais tenras, permeável a géneros, comum ao campo e à cidade, hábito de poucos ricos, alguns pobres e tantos remediadamente pobres. Ou seja, a coisa é transversal a todas as franjas da sociedade (como está na moda dizer, os que opinam nos ecrãs vão todos ao mesmo barbeiro de certeza). Deus é pai, Deus castiga, que Deus te abençoe, Deus te pague, Deus te ajude, Deus te livre e guarde, Deus isto e aquilo, é interminável. Deve ser complicado distinguir o essencial do acessório assim, até mesmo para uma divindade: deve estar desertinho que chegue a reforma. Gosto especialmente de quando Deus surge no adeus no tão fofinho Até amanhã se Deus quiser. Ao que respondo de bom humor: Deus quer! Dizem que Deus não dorme, pudera!, esta barulheira toda deve ouvir-se lá em cima...

- Deus não dorme

Provérbio provado rimado - CLVIII

Quando o põem num pedestal
Fica num patamar desigual
É certo e sabido que a queda
Rebola abaixo pela vereda

Por isso não seja snob
Aqui peneiras não há
Pois quem mais alto se sobe
Maior é a queda que dá

Provérbio provado rimado - CLVII

Era médico o Dr Pedro
Um esforçado cirurgião
A operação era um degredo
Tremia-lhe muito a mão

Empunhava o bisturi
Para cortar finamente
Mas de facto nunca vi
Contou-mo o seu assistente

Quando tinha de suturar
Pedia ajuda à enfermeira
Não fosse ele se enganar
E coser de qualquer maneira

Lembrava-se da faculdade
Com um especial carinho
Dos colegas tinha saudade
Dos professores nem um pouquinho

Recordava o mau momento
Das aulas de anatomia
Quando viu que o seu sustento
Da profissão não se faria

Puseram-lhe um corpo à frente
Que lhe mandaram dissecar
Ele atacou-o com um pente
E pôs-se a tremelicar

Mas apesar dos pesares
Gostava muito das pessoas
E nos seus muitos vagares
Atendi-as se estivessem boas

Pior era quando os doentes
Traziam alguma maleita
Ficavam logo impacientes
Se lhes dizia é bem feita

Um dia um deles finou-se
Com a sua falta de jeito
E a confusão instalou-se
Foi dispensado a preceito

Deixou triste o hospital
Com os ombros encolhidos
E depois como é normal
Perdeu ali mesmo os sentidos

E foi um tal alvoroço
Que não o deixaram sozinho
Pois fracturou até osso
Não pôde sair de fininho

Peço já aqui perdão
Por ser a rima tão extensa
Queiram saber de antemão
Resumir não me é pertença


sábado, 18 de novembro de 2017

Provérbio provado rimado - CLVI

Sempre que gostes a cem
Demonstra só a cinquenta
Lembra-te de que não convém
E o visado nem comenta

Por vezes é demasiado
Se te pões a extrapolar
E esse mesmo visado
Não te chega a contemplar

Não esperes retribuição
Que quase ninguém embarca
E amansa a tua emoção
Não dês murro em ponta de faca



Provérbio provado rimado - CLV

Amores perfeitos e às cores
Só existem mesmo as flores
Do sorriso da mulher nasceram
E por isso não pereceram

Provérbio provado rimado - CLIV

Alternativa com pouca razão
É a que deixa só uma opção
Quando não há condomínio
Uma simples palhota é fascínio

Do amor e uma cabana
Um belo convívio emana
Então se for junto à praia
Não merece uma vaia

Ali entre os canaviais
Podem chegar a ser pais
E produzir filharada
Ter uma família engraçada

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Provérbio provado rimado - CLIII

Já aqui falei do Tiago
Um passional predador
E foi num dia aziago
Que conheci esse senhor

Claro que dar-lhe tal título
É mera força de expressão
Pois foi encerrado o capítulo
Isso nem se põe em questão

Eis que voltou à carga
E recomeçou a rodear
Mas a experiência amarga
Só me faz procrastinar

Que siga o seu caminho
E que me largue a labita
Ele foi forreta no carinho
Na curta relação maldita

Só me traz más recordações
Pingava o amor a metro
E desgastou-me as emoções
Nem o quero ver vade retro

Provérbio provado rimado - CLII

Quem por aqui se passeia
Abusa de andar à boleia
Qual empresa de camionagem
Assim responde à mensagem

E faz um gesto de fixe
Quase parece fétiche
Ou então põe-se a acenar
Não quer a língua dobrar

Minha gente não custa nada
Escolher palavra cuidada
Para ter conversas sanas
Não é preciso queimar as pestanas

Provérbio provado rimado - CLI

O respeito p'las hierarquias
É uma daquelas manias
Que é assaz corriqueira
E me irrita sobremeneira

Porque também sou pessoa
E a mim ninguém perdoa
Têm de se dar ao respeito
Saudar a torto e a direito

Quando me viram o rosto
É passível de causar desgosto
Só p'ra não dar um bom dia
Mas que figura arredia

Egomania não me amedronta
Sou hirta que nem varapau
Se me fazem essa afronta
Respondo logo põe-te a pau


Provérbio provado rimado - CL

Quando éramos pequeninas
Tudo era sonho e ilusão
Foi tão bom sermos meninas
Ai que grande satisfação

Agora que somos crescidas
Temos de nos aguentar à bomboca
E em apressadas corridas
Perguntar se há para troca

Muitos anos a virar frangos
Sempre com sorriso nos dentes
Dançando tangos e fandangos
Aprendendo a viver entrementes

Se me perguntas se decorei
Na ponta da língua a lição
Com o tanto que me enganei
Já devia ser campeão

Para mais sendo mulher
E sem filhos a quem criar
Farei o melhor que souber
Para boas memórias deixar

Provérbio provado rimado - CXLIX

Que saudades da infância
Ó minha querida irmã
Está lá longe à distância
Tal como tu na Lourinhã

O teu nome deu-to a santa
Catarina de Alexandria
O mesmo puseste à infanta
É uma grande monotonia

Então tiveste mais dois
Sobrinhos do meu coração
Sem muita diferença depois
Chegaram sem aflição

A tua vida é uma lufa-lufa
Às vezes não sei como aguentas
Mas tu sem grande miúfa
Essa tropa toda sustentas

Porém tens mesmo ao teu lado
O cómico e único Nuno
Que é com imenso agrado
Do teu amor o gatuno

Fazem uma bela família
Todo o ano não só em Maio
Mas também surge quezília
Nos cinco Batista Sampaio


Provérbio provado rimado - CXLVIII

Queria um verso de vaca
Mas tinha imaginação fraca

Abriu a época de caça
Logo um tiro a trespassa

Pôs-se a correr no prado
Com o intestino perfurado

Não mais pôde pastar
Veio p'ra aqui avacalhar

Provérbio provado rimado - CXLVII

O fulano é escanifobético
O discurso não é sintético
Nunca consegue resumir
Nem novas ideias parir

Mesmo assim escanifobético
No seu ficheiro alfabético
Tudo tem regra e uma ordem
Mesmo quando elas lhe mordem

A palavra é escanifobético
E sem nenhum teor profético
Ele põe as barbas de molho
Fecha o carro com um ferrolho

Nas crenças o escanifobético
É um personagem céptico
Praticante do niilismo
Com pitada de narcisismo

Quando come o escanifobético
Tudo engole à pressa frenético
Pois nada quer partilhar
A última migalha mastigar

Esquisitóide e escanifobético
Muito estranho pouco ético
E pouca gente o suporta
Quando lhes segura na porta

O rosto do escanifobético
É todo muito assimétrico
Tem maior o olho direito
A boca num esgar a preceito

Aos trinta o escanifobético
Já se apresenta caquético
E com manifesta calvíce
A caminhar para a velhice

Um dia o escanifobético
Teve um ataque epiléptico
E uma febre de arrasar
Ninguém o foi lamentar

Foi a morte do escanifobético
Com um final pouco hipotético
Moderadamente infeliz
Teve a vida que ele quis

Provérbio mesquinho

Pataca a mim, pataca a ti e a mim pataca: eis a forma de o David estar na vida. Essa atitude era mais evidente quando se tratava do verbo comer; o David dava-se ao luxo de mastigar mais lenta ou apressadamente conforme o andar da carruagem, observando cada garfada dos eventuais comensais que com ele partilhassem a refeição, com o fito nas sobras que acabavam invariavelmente por ir parar ao seu prato. Um hipócrita David alegava então que não se podia desperdiçar comida com tanta gente a passar privações neste mundo, mas convenhamos: o David borrifava-se para a fome mundial. Nunca participava em quaisquer campanhas alimentares, justificando não pretender engordar instituições de solidariedade, mas se acaso lhe viessem os próprios dos famintos pedir ajuda directa na rua assobiava para o lado, e até mudava de passeio desde que não houvesse um par de olhos reprovadores por perto. Gostava muito de citar um provérbio oriental nessas ocasiões, que fazia ressaltar com respirada dicção: não dês o peixe, ensina antes a pescar. Claro que o David não pretendia passar a cana para as mãos de nenhum iniciado nas lides piscatórias nem um qualquer esforçado pescador para quem o mar sempre tinha sido demasiado longe, muito menos fornecer-lhe isco e anzol. Dava-se até ao desplante de deixar no ar uma figura de retórica com requintes de mesquinhez, segundo a qual um professor não é suficiente quando o pescador é preguiçoso.
Assim se comportava face ao alimento e de igual modo se passeava pelos outros corredores da existência. O David praticamente não tinha amigos, como não é difícil de adivinhar. Conhecido por oferecer um presunto a quem lhe dava um porco, furtava-se a convívios onde tivesse de ofertar o quer que fosse; inclusivé aos jantares natalícios da empresa, apesar de o repasto à borla ser garantido. Por ocasião da quadra festiva ficava de péssimo humor, arengando contra o consumismo desenfreado; contudo se lhe dessem um miminho para pôr debaixo da árvore, recebia-o com as mãos de par em par acrescentando sempre o típico comentário algo retorcido: homessa, agora foste pôr-te a gastar dinheiro comigo! O Hélder tinha todos os anos um pequeno cabaz que lhe oferecia num gesto desinteressado e que incluía uma garrafa de bom vinho kacompanhada dum queijo curado, um salpicão ou outra delicatessen da família dos enchidos. Recebia em troca umas palmadinhas nas costas e a seguinte invariável promessa: um dia tens de ir jantar lá a casa, pá!
Para grande surpresa do Hélder esse dia um dia chegou. Talvez imbuído do espírito de Ano novo, o David convidou-o para jantar no primeiro Sábado de Janeiro, gabando muito a sopa da pedra que encomendaria no restaurante ribatejano do bairro. Uma vez chegado o ansiado encontro, e já sentados à mesa, destapou-lhe a panela que continha uma pedra.

- Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é tolo ou não tem arte

Provérbio provado rimado - CXLVI

A vida é maior do que nós
O coração fica-se p'la metade
E é só quando estamos a sós
Que se manifesta a ansiedade

E no entanto é redondo o mundo
Com conflito de lateralidade
Quem não sabe nadar vai ao fundo
Afogado em certeza e verdade

Tudo o que vemos e não vemos
Possui sua particularidade
Não adianta que nos admiremos
Continua a ter propriedade

O direito do anzol é ser torto
Todos temos uma finalidade
Não querendo ser um peso morto
Temos de dar vazão à vontade

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Provérbio provado rimado - CXLV

A água fria congela a vontade
E manieta muito a excitação
É crime de lesa-majestade
Corta p'la raíz a tesão

Desse balde de água fria
Tem medo o gato escaldado
Bate forte e até arrepia
Eis mais um provérbio rimado

Provérbio provado rimado - CXLIV

Gosto de autores sem preconceito
E que se deixam partilhar
Que publicam assim a eito
Para quem os queira citar

Não é precisa autorização
Ou malabarista vénia
É ir directo à citação
Sem dar a volta p'lo Quénia

Dão autógrafos de borla
Sem arroubos paternalistas
Recusam a veia parola
São bastante minimalistas

Para mim têm muito valor
Não receiam os derradeiros
Comentários com algum calor
Os últimos serão os primeiros

Provérbio provado rimado - CXLIII

O pomo da discórdia
É uma grande mixórdia
Antes fora de temáticas
Aprenderia matemáticas

Foi o piquete do sindicato
Que apareceu com aparato
Apelou à manifestação
Trouxe p'ra assinar petição

P'ra ajudar aqueles precários
Têm congelados os salários
Houve quem não assinasse
Sem qualquer razão se escusasse

Provérbio provado rimado - CXLII

Tremoços e pevides
Quero que convides
Pagas a cerveja
Não tenhas inveja

Vamos à esplanada
Sem cara amarrada
Até mesmo à praia
Novembro não nos traia