segunda-feira, 9 de julho de 2018

Provérbio provado rimado - CCCXCV

Bem me quer mal me quer
É tão engraçada cantiga
Com origem muito antiga
Cantada por quem quer saber

Se o refrão faz corresponder
Com a tal pétala correcta
Arrancada a predilecta
É um amor que vai crescer

Provérbio provado rimado - CCCXCIV

Não penses que envelhecer
É tal qual como adoecer
Com as células em farrapos
Porque velhos só mesmo os trapos

Provérbio provado rimado - CCCXCIII

Tu és um chato do caraças
A melgar a tarde toda passas
Percebo o teu ponto de vista
Já podes baixar essa crista

Que eu compreendo à primeira
Mesmo se em tom de brincadeira
Não batas mais no ceguinho
Ou então dá-lhe devagarinho

Provérbio provado rimado - CCCXCII

Esta rima de meia tigela
Não consegue ter nada de bela

São versinhos colhidos avulso
Escritos com toda a força do pulso

E então mais tarde ou mais cedo
Vai escapar-se-me o dedo

Disparate vem já a seguir
Para o povo se pôr todo a rir

Gozar com o gestor do Estado
Que quer sempre poleiro elevado

Ou argumento de advogado
É escutado sempre de mau grado

Cores berrantes eu cá não duvido
Que me podem ferir o ouvido

Cu ao léu e janela aberta
Dá constipação pela certa

Que era tonta eu bem avisei
Esta rima na qual mal pensei

Provérbio provado rimado - CCCXCI

Diz-se que as vozes de burro
Não chegam ao céu lá de cima
Mas ouço porém tanto zurro
Como vou contar nesta rima

Para tudo há imensos cronistas
Integram qualquer discussão
São tidos por ser alpinistas
Sociais e da televisão

Dizem tudo e um par de botas
Levantam o dedo presente
E nunca admitem derrotas
Desculpa não há cu que aguente

Provérbio provado no consultório

Às quartas feiras, em vez de ir do trabalho directamente para casa, a Fernanda cumpre sempre o mesmo ritual: desloca-se à cidade para a sua consulta semanal de psicoterapia.
Sente que ultimamente tem feito progressos, já que a médica não é muito inquiridora mas faz as perguntas certas, aquelas capazes de a pôr a pensar chegando às conclusões por si mesma.
A vida não tem sido fácil nos últimos anos: o marido de toda a vida quis divorciar-se na mesma altura em que os rapazes saíram de casa e a Fernanda sente-se terrivelmente só. No mês que vem vai fazer sessenta anos, efeméride que mais a faz pensar na solidão.

Nesta quarta feira, rói as unhas enquanto se tenta acomodar no cadeirão poído do consultório. A doutora hoje está mais faladora do que o habitual:
- Que acha da educação que recebeu dos seus pais? Educou os seus filhos da mesma forma?
- Os meus pais sempre foram muito bons para mim. É claro que o meu pai era muito rigoroso comigo: exigia que chegasse cedo a casa e não me deixava ir a festas sem estar acompanhada de alguma pessoa conhecida e de confiança. Sei que isso era para o meu bem, apesar de eu saber distinguir o que era correcto do que não era, eu tinha um bom discernimento. Mas enquanto morei com eles quando era solteira, devia-lhes obediência: era assim que as coisas eram! Os meus irmãos eram mais novos que eu mas tinham muito mais liberdade, como é natural... Os homens não são olhados pelos outros como o são as mulheres: podem chegar de madrugada a casa, ter muitas namoradas e até amantes que tudo é considerado muito normal. Com os meus filhos? Com os meus filhos a situação permaneceu mais ou menos igual: as coisas não mudaram assim tanto! Se tivesse tido filhas, teria cuidado mais delas do que fiz com os rapazes. Acho que as mulheres devem ser recatadas e desconfiarem muito dos homens que é para não serem enganadas.

- Espera de teu filho o mesmo que fizeste a teu pai

Provérbio provado rimado - CCCXC

Com um QI tão pouco elevado
Ainda acabas é em deputado
À República Assembleia
Terás de ir volta e meia

Lá é como um regimento
Batem palmas a cada momento
Lá é como um rebanho
Onde o anuir é tamanho

As bancadas estão divididas
E muitas faces contraídas
Há partidos de todas as cores
Que têm entre si dissabores

Mas tu irás enturmar-te
E a discursar terás arte
Não te esqueças é que no trabalho
É cada macaco no seu galho


Provérbio provado num verso branco - XLI

O mundo não pode estar todo errado
Dou a mão à palmatória
E viajo para cada vez mais longe
Dos primeiros sonhos
Que o que sou não se pode chamar eu

Provérbio provado rimado - CCCLXXXIX

Se morreres não digas adeus
Despede-te com até já
Leva os sonhos que são teus
Espera-me do lado de lá

Lá onde nos encontrarmos
Seja no inferno ou no céu
É bom se juntos ficarmos
Isto é que nos desejo eu

Nossas más e boas acções
Estão apontadas numa folha
Face às nossas contradições
Que venha o Diabo e escolha

Provérbio provado rimado - CCCLXXXVIII

Acotovelam-se as beatas
No seu traje domingueiro
Se na escolha não são sensatas
Parece a igreja um cinzeiro

O sinal da cruz tanto fazem
E são amigas do vigário
Mesmo que a missa atrasem
Não são contas do meu rosário

Lá no fundo o padre deseja
Falar com quem fica nos cantos
Nem todos os que vão à igreja
Podem ser chamados de santos

Provérbio provado rimado - CCCLXXXVII

Com pontes e troços de estrada
E mais tantas construções
Alegra-se a rapaziada
E fazem-se inaugurações

Com subsídios e benesses
Corrupção e outras subtilezas
Neste mundo feito de interesses
Conseguem-se grandes riquezas

Grassa tal impunidade
Disso não fazem reclames
Prospera a mediocridade
Dá vontade de ir aos arames

domingo, 8 de julho de 2018

Provérbios provados seleccionados - V

Os provérbios andam de boca em boca e neste blog contam-se histórias a partir deles. Fui aos arquivos seleccionar alguns pequenos contos que aqui apresento de forma oposta ao habitual: nos links que se seguem, deslindo à partida o final e nestes casos os excelentíssimos leitores saberão de antemão a moral da história (ou a falta dela).












sábado, 7 de julho de 2018

Provérbio provado dialogado

- És feliz?
- Queres que minta? Porque normalmente é uma pergunta de retórica. As pessoas não querem exactamente saber...
- Quero uma resposta sincera. Mas não acredito na felicidade absoluta: não existe.
- Claro que existe! Só que são apenas momentos, não períodos alargados no tempo...
- Concordo, são momentos. Tudo o resto é contentamento. E conheces-te bem?
- Conheço-me e é tudo! No entanto, quero descobrir facetas diferentes em mim.
- Será uma aventura interior? Não serão mais limites que desconheces?

- Quem não sabe o que quer, perde o que tem

Provérbio provado rimado - CCCLXXXVI

Tem cuidado com o que dizes
Para não magoares ninguém
Se não é para dizer bem
Não faças outros infelizes

Sê sempre bem intencionada
Da língua não sejas escrava
Que mais fere uma má palavra
Do que espada bem afiada

Provérbio provado rimado - CCCLXXXV

A César o que é de César
É matéria de imperador
Que lá na sua rica terra
Era um grande senhor

Sua mulher tinha um ditado
Não lhe bastava só sê-lo
Se queria ser considerada
Também devia parecê-lo

Provérbio provado embelezado

Nasceram as três no mesmo dia. Num daqueles hospitais dos subúrbios como grandes cogumelos ao lado de cemitérios, construídos com evidente bom humor.Como o pai queria três rapazes em vez de três meninas, vingou-se do cromossoma X na atribuição dos nomes às três bebés:
- Vou chamar-lhes as três Marias, como a minha mãe, a minha avó e a minha bisavó antes dela. Mas terão um segundo nome próprio igualzinho, sem tirar nem pôr, aos nomes que eu já tinha escolhido, faço questão! E quando forem mulherzinhas ainda me vão agradecer!

A Maria Jorge era a irmã mais versátil. Era quase sempre divertida, alegre e até ousada. Tinha uma imaginação fértil e era uma amante acérrima da liberdade. Em virtude de ter os ouvidos muito sensíveis, não gostava de receber ordens.
A Maria Manuel também preservava a liberdade, mas a do seu umbigo. Vivia constantemente em busca de dinheiro, por vezes de formas totalmente inusitadas, sem medinho nenhum de correr riscos, atirando-se de cabeça.
A Maria Miguel atirava-se aos livros:gostava de estudar e de saber, para poder atingir os seus objectivos com mais facilidade. Era a cientista da família e almejava um Nobel - ou dois! Por ser tão sabichona, tomavam-na por arrogante e inflexível.
Uma coisa era certa: as três Marias eram muito bonitas. Tinham olhos amendoados cor de mel, uns lábios bem desenhados e o nariz perfeito, arrebitado.

- Não há bela sem senão

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Provérbio provado rimado - CCCLXXXIV

Olha tens de te desenrascar
E só contigo poderes contar
Se o frigorífico está vazio
Vai às compras até se está frio

O desfecho é sair da toca
E preparar a tua paparoca
Pagar contas no dia correcto
Dá-te um objectivo concreto

Se o pão duro faz uma torrada
Cuida só que não fique queimada
Se com o gel fores exagerado
O cabelo fica-te empastado

Tudo isto é para preceder
A coisa feia que vou já dizer
No fundo tens de te afoitar
Até ao fim de te desenmerdar


sábado, 30 de junho de 2018

Provérbio provado rimado - CCCLXXXIII

Claro que é necessário o dinheiro
Mas no bolso é tão passageiro
O custo de vida a aumentar
Nunca dá para comprar caviar

Quando se começa a pedir
Emprestado só faz mais sumir
É bom que te fiques pelo teu
Conselho de borla te dou eu

Porque se as contas mal paradas
Dificilmente são sanadas
Não queiras contas com parentes
Nem sequer dívidas com ausentes

Provérbio provado rimado - CCCLXXXII

O professor lá na sala
Pôs o Joãozinho com tala
Com porradinha se fazia
A antiga pedagogia

Mas havia truques infalíveis
Que se tornavam inesquecíveis
Mnemónicas a decorar
Muito fáceis de memorizar

Uma dica muito valorosa
É que a lua é mentirosa
Quando cresce faz um D
E quando mingua um C

Provérbio provado num verso branco - XL

Com um pé atrás

A cada manhã nova espera
Principia uma esperança
Ele veste-se de si mais uma vez
E só por esse dia aprende a colorir a dúvida
Fingirá que sabe ao que veio
Dará passos adiante com suposta firmeza

A cada noite que chega
O medo do escuro da solidão
Ele despe-se de si até amanhã
E por umas horas larga os pincéis
Fingirá que consegue dormir
Retrocederá um passo com infinita tristeza