terça-feira, 23 de setembro de 2014

Provérbio citado (CRUZ)

«(...)
Mulhermente, Lola crescera para ser muito atraente, ao ponto de parecer uma evolução estética da humanidade. A evolução é isso mesmo: uma pessoa sabe que evoluiu quando à sua volta só vê macacos. Lola desenvolveu esse espaço poético que é o seu corpo, tudo com grande elegância. Enquanto ela o fazia, os homens à sua volta desenvolviam a acuidade visual e, quando ela passava, permitia que apanhassem torcicolos. Mas não se prendia a nenhum, até que um dia apareceu o imbecil certo. Demora muito até que aconteça e a maior parte das mulheres não tem essa sorte. A maior parte casa-se simplesmente com o imbecil errado.
O encontro dos dois deu-se numa das festas em que a sua mãe já não era convidada (…). Plácido haveria de se tornar noivo de Lola, depois de dois anos de namoro. Ele era um rapaz bem-parecido, alto, de ombros largos e com grande capacidade para calar-se a si mesmo. Na noite em que se conheceram, ele quase não falou. O perigo disto é bem conhecido. Há um provérbio que o afirma claramente: o néscio, por se calar, passa por sábio. (...)»


In A carne de Deus : aventuras de Conrado Fortes e Lola Benites - Afonso Cruz