sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Provérbio provado cansado

De Samuel podia dizer-se que terminara a Quarta Classe com distinção, se estivéssemos a falar doutros tempos. Saltemos, porém, umas décadas adiante e digamos que se encontra no Ensino Básico 2, que também já teve o nome de Ciclo Preparatório.
Contrariamente ao que pode deixar supor o título e a introdução, o Samuel é um menino enérgico, moderno, que tecla como quem escreve, uma espécie de cromo adepto da ginástica física e mental. Traja-se na moda e é popular - os óculos míopes não dão azo a alcunhas: os outros rapazes tomam-no por desportista bom aluno e não por o bom aluno desportista.
Contrariamente ao que pode deixar supor o parágrafo anterior, não vamos contar o primeiro amor do Samuel pois ainda não se tomou de amores verdadeiramente, se estivéssemos a usar expressões doutros tempos.
Adaptou-se bem à passagem da sua querida, já tão no passado, velha professora Eugénia – reformada mesmo no fim do seu primário, mortificada pelas reduções do salário provocadas pela Crise -, para passar a ter vários professores divididos por temas.
Corre-lhe então ao Samuel a vida particularmente bem no meio estudantil em que se movimenta, não fosse uma coisa que o atormenta: detesta trabalhos de grupo. Claro que Samuel nunca o diz, só às vezes à mãe, única pessoa passível de ouvir coisas destas sem o julgar por egoísta, demasiado ambicioso ou pouco generoso com os colegas, as mães compreendem estas coisas e os colegas não.
Quando surge um trabalho de grupo logo se impacienta, normalmente tem azar nos cooperantes que lhe calham em sorte: isto de ser popular tem as suas desvantagens. Combinam em casa de alguém, cortam frases dos motores de busca à toa enquanto enviam sms à toa, e deixam o trabalho todo para o bom do Samuel. Porque o Samuel nessa tarde prescinde dos treinos do futebol porque se recusa a apresentar um trabalho à toa. Não assina Samuel Silvestre à toa, mesmo que os outros nomes só estejam para ali para enfeitar. É sempre assim nos trabalhos de grupo, fica depois só e não aproveita quase nada da sessão de trabalho em comum. Então dedica-se, pesquisa referências na internet, mas principalmente em enciclopédias, vai à biblioteca se preciso; em suma, cansa-se.
No dia da entrega dos trabalhos, os colegas olham meio apalermados para o resultado e tomam os louros, reconhecidos:

- Cansa quem dá, não cansa quem toma

Provérbio citado (ASSIS)

«
Começo a arrepender-me deste livro. Não que ele me canse; eu não tenho que fazer; e, realmente, expedir alguns magros capítulos para esse mundo sempre é tarefa que distrai um pouco da eternidade. Mas o livro é enfadonho, cheira a sepulcro, traz certa contracção cadavérica; vício grave, e aliás ínfimo, porque o maior defeito deste livro és tu, leitor. Tu tens pressa de envelhecer, e o livro anda devagar; tu amas a narração direita e nutrida, o estilo regular e fluente, e este livro e o meu estilo são como os ébrios, guinam à direita e à esquerda, andam e param, resmungam, urram, gargalham, ameaçam o céu, escorregam e caem…
E caem! – Folhas misérrimas do meu cipreste, heis de cair, como quaisquer outras belas e vistosas; e, se eu tivesse olhos, dar-vos-ia uma lágrima de saudade. Esta é a grande vantagem da morte, que, se não deixa boca para rir, também não deixa olhos para chorar… (…)»

In Memórias póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis


P.S. – Post livre de preconceitos de citação, e quiçá acrescentando o início do capítulo seguinte – para provar que nem tudo é provérbio:
«
Talvez suprima o capítulo anterior; entre outros motivos, há aí nas últimas linhas, uma frase muito parecida com despropósito, e eu não quero dar pasto à crítica do futuro.
(…)»